orçamento de logotipo

Solicite um orçamento para receber:

  • Sugestões de nome fantasia 

  • Desenhos de logotipo (ou logomarca)

Fale conosco pelo WhatsApp abaixo:

(11) 9958-12346

A Agência EVEF tem mais de 25 anos de experiência em publicidade e design gráfico.

A simbologia da videira

videira simbolo historico

Nas religiões que cercavam a antiga Israel, a videira passava por ser uma árvore sagrada, até mesmo divina, e seu produto, o Vinho, como bebida dos deuses. Encontramos um vago eco dessas crenças no Antigo Testamento (Juizes, 9,13; Deuteronômio, 32, 37).

Por questão de adaptação, Israel considera a videira (assim como a oliveira) uma das árvores messiânicas (Migueias, 4, 4; Zavarias, 3,10). Não é impossível que as antigas tradições tenham identificado a árvore da vida do paraíso com uma videira.

Portanto, desde a sua origem, o simbolismo da videira adquire um aspecto eminentemente positivo.

Vitis vinifera é a espécie de videira (também conhecida por parreira) mais cultivada para a produção do vinho na Europa. Esta videira, cujo fruto é a uva é cultivada por várias civilizações europeias há milhares de anos, o que originou dezenas de variedades, as denominadas castas, por meio de seleção artificial.

Originária da Região do Mediterrâneo até o sul da Alemanha, a Vitis vinifera é cultivada em todas as regiões de clima temperado, fazendo da produção de vinho uma das atividades mais antigas da civilização, desde o período neolítico.

A videira é, antes de tudo, a propriedade e, assim, a garantia da vida e o que lhe dá o seu valor: um dos bens mais preciosos do homem (1 Reis, 21, 1). Uma boa esposa é para o marido como uma videira fecunda (Salmos, 128, 3). A sabedoria é uma videira de belas parras.

Daí, passamos naturalmente ao tema principal do simbolismo. A videira é Israel, como propriedade de Deus. É a sua alegria, espera os seus frutos e dela cuida constantemente. O profeta Isaías, por ocasião das festas das vindimas, compôs o canto da videira:

Que eu cante ao meu amigo
o canto de seu amor por sua vinha
Pois bem, a vinha de Jeová
é a casa de Israel,
e o povo de Judá
é a planta escolhida.

Dela esperava inocência e veio sanguea retidão, e veio o grito de pavor.

Essa planta preciosa decepciona aquele que tanto a cercou de cuidados. Não passam de maus frutos e de degenerescência (Jeremias, 2, 21).

É por essa razão que o simbolismo será transferido para a pessoa daquele que encarna e sintetiza o verdadeiro povo de Deus: o “Messias é como a videira” (TI Baruc, 36, s.).

Jesus proclama que ele é a verdadeira cepa e que os homens não podem pretender ser a videira de Deus se não permanecerem nele. De outra forma, não passam de galhos secos que só servem para ser lançados ao fogo (João, 15, 1).

Em Mateus (21, 28-46) a videira, na parábola dos vinhateiros homicidas, designa o reino de Deus, que, inicialmente confiado aos judeus, será passado a outros.

O simbolismo da videira estende-se a cada alma humana. Deus é o vinhateiro que pede a seu filho que visite a vinha (Marcos, 12, 6). E, substituindo Israel, o Cristo tornar-se-á, por sua vez, comparável a uma videira, sendo o seu sangue o vinho da Nova Aliança.

Os textos mandianos empregam a palavra videira para designar não apenas o enviado celeste, mas toda uma série de seres que pertencem ao mundo superior luminoso.

A videira é um símbolo importante, principalmente por produzir o Vinho*, a imagem do conhecimento. Não terá sido por acaso que Noé, que acompanha o início de um novo ciclo, tenha sido o primeiro a plantar a videira. Os textos evangélicos fazem da videira, segundo observamos, um símbolo do Reino dos Céus, cujo fruto é a Eucaristia. Jesus é a verdadeira cepa. “Refiro-me à videira no sentido alegórico”, escreve Clemente de Alexandria, “o Senhor cujo fruto devemos comer, mediante os cuidados de uma cultura que se faz através do trabalho da razão” (Stromate, 1). A seiva que sobe no interior da videira é a luz do Espírito, o Paiéo Vinhateiro, pelo menos de acordo com as concepções gnósticas que o separam de sua vinha como o Absoluto do relativo.

Em iconografia, a videira é muitas vezes uma representação da Árvore da Vida. A terrível vindima do Apocalipse (14, 18-20) confirma tal significado: “E outro Anjo, que tem poder sobre o fogo, saiu do altar e gritou em voz alta ao que segurava a foice afiada: “Lança a tua foice afiada na terra e colhe os cachos da videira da terra, pois suas uvas amadureceram.”

O Anjo lançou então sua foice afiada na terra e cortou a videira da terra, lançando-a depois na grande cuba do furor de Deus. A cuba foi jogada fora da cidade e dela saiu sangue até chegar aos freios dos cavalos, numa extensão de mil e seiscentos estádios.”

Entre os gregos, o cultivo da videira é de tradição relativamente recente em relação ao do trigo. Por isso não pertence a uma deusa tão antiga quanto Deméter, mas a Dioniso, cujo culto, associado ao conhecimento dos mistérios da vida após a morte, alcançou uma importância crescente. É essa ligação de Dioniso com os mistérios da vida após a morte, que também são os do renascimento e do conascimento, que fez da videira um símbolo funerário cujo papel continuou no simbolismo do cristianismo.

Da mesma forma que a videira era a expressão vegetal da imortalidade, o álcool permaneceu, nas tradições arcaicas, o símbolo da juventude e da vida eterna: a aguardente francesa = eaux de vie (água da vida); o uísque gálico = water of life (água da vida); o maie-i-shebab persa = bebida de juventude; o geshtin sumeriano = árvore da vida etc.

“A videira era identificada pelos paleo-orientais à erva da vida e o signo sumeriano para vida era, normalmente, uma folha de parreira. Essa planta era consagrada às Grandes Deusas. À Deusa-Mãe era inicialmente chamada de A Máe-Cepa de Videira ou A Deusa-Cepa de Videira.”

A Mishna afirma que a árvore do conhecimento do bem e do mal era uma videira.

No mandeísmo, o vinho é a incorporação da luz, da sabedoria e da pureza. O arquétipo do vinho encontra-se no mundo celeste. À videira

arquétipo é composta de água no interior, sua folhagem é formada de espíritos da luz e seus nós são grãos de luz. A videira é considerada uma árvore cósmica, pois envolve os céus, e os bagos da uva são as estrelas.

O tema mulher nua videira também se transmitiu nas lendas apócrifas cristás.

“O vinho é símbolo da vida oculta, da juventude triunfante e secreta. Por essa razão, e por sua cor vermelha, é uma reabilitação tecnológica do

sangue. O sangue recriado pela cuba é o sinal de uma grande vitória sobre a fuga anêmica do tempo... O arquétipo da bebida sagrada e do vinho, entre os místicos, confunde-se com o isomorfismo de valorizações sexuais e maternais do leite. Leite natural e vinho artificial confundem-se no prazer juvenil dos místicos”.

O raki, bebida sagrada das seitas xiitas da Anatólia, é chamado, na sua linguagem secreta, arslan sutu = leite de leão. Sabe-se que o leão, para os xiitas, é uma epifania de Ali.

Os turco-tártaros da Ásia Central atribuem ao herói do Dilúvio a invenção das bebidas embriagantes. Esse herói é o patrono dos mortos, dos bêbados e das crianças pequenas.

Entre os bektashis, a palavra dem significa vinho, sopro e tempo. Os ensinamentos divinos são comparados ao vinho, segundo Dionísio, o Areopagita, devido à sua aptidão em restituir o vigor.

A cor vinho, feita de vermelho e branco, é uma síntese ctono-uraniana: é o casamento do ar e da terra, da alma e do espírito, da sabedoria e da paixão; era a cor da auriflama púrpura-azulada que, segundo a lenda popular, fora enviada do céu para Clóvis. É, na verdade, essa púrpura verdadeira que, na heráldica, difere do vermelho puro (das goelas) pelo fato de tender para o violeta.

Os vinhos, os néctares, os hidroméis, as ambrosias são todos de origem uraniana, ligados ao fogo celeste. Nos Vedas, o soma é trazido aos homens pela águia, ave solar. Licor masculino, por excelência, expressão do desejo impetuoso e fecundador, o soma é celebrado com o Cavalo”.

Mas essa glorificação da força viril, unanimemente ligada aos Vinhos, traz também a percepção da dualidade antagônica céu-terra, resolvida e, ao mesmo tempo, percebida na embriaguez.

 

Fonte: Livro Dicionário dos Símbolos, por Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, editora J.O.

 

Artigos relacionados

Criação de símbolos comerciais e desenhos de logotipo para empresas do agronegócio e fazendas

Criação de nome fantasia para fazendas e empresas do agronegócio

Modelos de logomarca para fazendas e empresas do agronegócio

 


Página atualizada na Agência EVEF em 17/03/2022 por Everton Ferretti