orçamento de logotipo

Solicite um orçamento para receber:

  • Sugestões de nome fantasia 

  • Desenhos de logotipo (ou logomarca)

Fale conosco pelo WhatsApp abaixo:

(11) 9958-12346

A Agência EVEF tem mais de 25 anos de experiência em publicidade e design gráfico.

Estudo da harmonia das cores

Imagine por um momento como seria viver em um mundo sem cor, um mundo onde só podíamos ver preto e branco e tons de cinza. É quase impossível para nós imaginar como a diversidade e a harmonia das cores define nosso mundo.

A primeira coisa que você se lembra e a última coisa que você esquece, pode ser identificada pela sua cor; a dica visual que nos envolve; atraindo-nos para sentir uma conexão com o nosso ambiente e as coisas nós amamos.

Como artistas plásticos e designers gráficos fizeram ao longo do tempo, muitos de nós olhamos para colorir como uma forma fantástica de expressar ideias e emoções; voltando-se para tons brilhantes e ousados para transmitir energia ou tons mais suaves e silenciosos quando queremos criar uma sensação de calma.

No entanto, há muito mais para aprender sobre o poder da cor e o papel que este modo único de comunicação desempenha em nossas vidas. A cor pode ser o mais importante elemento de design na criação de um estilo, por isso a influência da cor em nossos sentimentos e percepções não podem ser subestimadas. A cor desempenha um papel vital na transmissão de uma mensagem e no estabelecimento de um ambiente.

Esse artigo foi criado a partir da tradução e resumo do livro HARMONIA DAS CORES que traz um elaborado estudo e pesquisa de cores para o mercado consumidor, previsão de tendências e educação em cores. Para você, leitor, se você está aprendendo sobre cores pela primeira vez ou já é um aficionado por cores e design gráfico, esperamos que este artigo abra sua mente, desperte sua imaginação e, o mais importante, te ajude a colorir seu mundo.

livro harmonia das cores

Introdução ao estudo das cores e sua harmonia

Desde que éramos crianças, entendemos inatamente que a cor é um elemento vital, parte de nossas vidas. Quando nos ofereceram uma caixa de giz de cera, rabiscamos com grande prazer e não importava ficar dentro das linhas do livro de colorir.

A cor proporcionou a liberdade de nos expressarmos, ganhando aprovação e apreço de pais amorosos. À medida que crescemos, nos tornamos mais conscientes dos componentes emocionais da cor e como ela pode ser eficaz em direcionar e desviar o olhar. Existem sutilezas e nuances em vários matizes, tons e intensidades para excitar ou acalmar, pacificar ou energizar, e até sugerir força ou vulnerabilidade.

As riqueza da variedade e diversidade das cores podem despertar seu apetite, seu calor, acalmá-lo com sua calma ou aumentar a sua consciência do mundo ao seu redor. A cor enriquece o universo e nossa percepção dele. Nós respondemos à cor em um nível muito visceral e nossas preferências muitas vezes podem ser as chave para a compreensão de memórias e emoções antigas.

A aplicação das cores podem produzir o que é chamado de associação mnemônica, lembrando-nos de outro tempo ou lugar. Ao longo de nossas horas de vigília e mesmo em nossos sonhos, a cor é uma presença constante.

Há cor na paisagem marinha, e uma profusão de cores sob uma paisagem de floresta tropical. O deserto produz variações tonais sutis de areia e dunas, e até mesmo o Pólo Norte coberto de neve apresenta variações de branco, dependendo as condições meteorológicas. Os nativos (incluindo os esquimós) que habitam a região aplicam uma infinidade de nomes diferentes para os vários tons de branco.

Por causa da cor, temos prazer nas maravilhas da natureza - um laranja brilhante, vermelhão e pôr do sol lavanda; o padrão magenta e roxo nas asas da borboleta; a propagação de azul-petróleo de um pato flutuando em um lagoa pacífica; a mudança das folhas verdes do outono para ruivos e dourados; e a folhas no chão da floresta.

harmonia das cores paleta pavao azul

De uma perspectiva ampla, os animais são coloridos para disfarce ou para exibição, especialmente em atrair um companheiro adequado e saudável. Um gafanhoto macho fica vibrante amarelo quando está sexualmente maduro. Um pavão macho abrindo orgulhosamente suas asas com olhos é impossível de ser ignorado contra qualquer pano de fundo, enquanto algumas espécies de rãs e camaleões são capazes de mudar de cor para se adequar ao seu ambiente para escapar predadores.

A sobrevivência do mais apto é bem servida pela cor. Quanto aos humanos, do ponto de vista puramente prático, a cor é essencial para o nossa própria existência, pois nos permite julgar o frescor de frutas maduras, legumes, e outros alimentos. Ajuda-nos a identificar pássaros, insetos, peixes, flora e fauna — aqueles para desfrutar e aqueles para evitar, ou pelo menos, ter alguma cautela em torno deles.
Pode nos informar que devemos parar no sinal vermelho e seguir no verde.

A cor estimula e trabalha sinergicamente com todos os sentidos - visão, olfato, audição, paladar e toque, evocando prazer, ou, no extremo oposto, repulsa e rejeição.

Wassily Kandinsky, o renomado artista abstrato, ouviu o som da música instrumentos quando pintava. Ele afirmou: “O som das cores é tão definido que seria difícil encontrar alguém que expressasse amarelo brilhante com notas de base ou lago escuro com os agudos.” Kandinsky parecia um tanto excêntrico em sua época, mas pesquisas recentes mostram que existe uma condição chamada sinestesia e Kandinsky foi um dos raros artistas que o tinham. É definida como uma condição na qual sentido (por exemplo, audição) é percebido simultaneamente por um ou mais sentidos, como a visão. Portanto, é um golpe duplo de dois sentidos trabalhando sinergicamente juntos, especialmente quando a cor está envolvida. Chamar isso de “condição” como se fosse uma aflição médica parece bastante estranha para alguns de nós, pois muitos de nós gostaríamos de provar (pelo menos momentaneamente) essa experiência multissensorial com cores.

A cor pode marcar território, fornecer orientação em espaços de difícil navegação, gerenciar o espaço pessoal e, ao longo do caminho, criar ilusões ou ambiência. É um identificador principal para grupos tribais, seja em uma região remota do mundo ou num campo de futebol.

Em um nível pessoal, a cor pode enfatizar características físicas ou fornecer camuflagem quando necessário. E, certamente, como demonstrado pelo cosmético, coloração de cabelo, higiene e indústrias da moda, a cor pode melhorar a auto imagem e auto estima.

Ao criar uma conexão emocional na mente humana, a cor pode expressar e dar sentido às fantasias e aspirações, e proporcionar a realização de desejos. A psicologia da cor pode parecer uma área de estudo relativamente nova, refinada e pesquisada extensivamente a partir do século XX. Mas o significado emocional da cor recebeu atenção muito antes, pois em 1810, o altamente respeitado escritor e filósofo alemão, Johann Wolfgang von Goethe, publicou seu tratado intitulado Teoria das Cores, no qual estudou e escreveu sobre várias famílias de cores.

Ele disse sobre o verde: “O olho experimenta uma impressão distintamente grata dessa cor.” Sobre o vermelho amarelado, ele afirmou: “O lado ativo está aqui em sua energia mais alta, e não é de se admirar que homens impetuosos, robustos, incultos, devem ficar especialmente satisfeitos com esta cor.”

Estudos mostram que o verde ainda é considerado uma cor repousante para os olhos. No entanto, os tempos e os gostos podem mudar e, embora o vermelho ainda seja considerado um símbolo da mais alta energia, uma gravata vermelha ou cachecol pode ser muito eficaz usado por qualquer homem ou mulher, educado ou não.

Atualmente, por meio de testes, pesquisas, experiências e estudos de marketing confiáveis, informações coletadas sobre a psicologia da cor são entendidas como um recurso para chegar às cores para todas as áreas de design, incluindo desenvolvimento de produtos, design industrial, identidade visual corporativa, logomarcas, embalagens (packaging), impressão, sites e sinalização, assim como moda, imagem pessoal, cosméticos, interiores, artesanato e design floral.

Uma das áreas mais estudadas e desenvolvidas grandes agências de publicidade é o estudo das cores para a criação de campanhas publicitárias. Em todos os níveis do mercado, colorir estabelece uma imagem de marca e atesta as qualidades e objetivos da empresa que a cor representa. Há um valor de marca que é construído em torno do uso cuidadoso de cores que sugere um ambiente emocional ou humor apropriado.

O profissional envolvido com a aplicação das cores em qualquer campo ou tipo de mídia precisa estar sempre se atualizando e buscando intuição entre todos os que estão todos envolvidos nos temas criativos. Cores harmoniosas podem ser encontradas em ensinamentos tradicionais, como o uso do roda de cores, mas os tempos, gostos e tendências podem mudar e, junto com eles, as “diretrizes” para a harmonia.

O que foi publicado no livro HARMONIA DAS CORES e é resumido nesse artigo não são regras rígidas, mas diretrizes flexíveis que ajudarão a impulsionar sua imaginação ou validar seu pensamento criativo. O famoso artista, autor, gravador, educador e teórico da cor, Josef Albers compararam a boa coloração com a boa culinária — ambos exigem degustação repetida. Leia as receitas.

harmonia das cores na natureza

O fenômeno da cor

A luz é a fonte de todas as cores e nosso sentido de visão funciona apenas quando a luz atinge o olho. Não há cor perceptível sem luz natural ou artificial. Poeticamente colocando, a luz é o mensageiro e a cor é a mensagem. Para ver detalhes finos com precisão, o olho contém uma lente que pode focalizar a luz nas células sensíveis dentro da retina, desencadeando impulsos nervosos conectados ao cérebro, onde uma imagem visual é formada.

Existem dois tipos de células sensíveis à luz chamadas bastonetes (hastes) e cones. Os bastonetes funcionam com pouca luz, enquanto os cones, respondendo apenas em ambientes claros. À luz do dia, contêm pigmentos sensíveis aos diferentes comprimentos de onda espectrais.

As ondas de luz visível estão entre as várias formas de energia eletromagnética e as formas de energia diferem à medida que viajam em diferentes comprimentos de onda. A quantidade de energia eletromagnética determina a luminância. Ondas específicas de energia são referido como o "espectro visível" e cada matiz tem seu próprio comprimento de onda que determina seu lugar na ordem espectral. Entre cada uma das tonalidades existem gradações de cor.

Arco-íris inspiradores são os mais belos exemplos dessa ordem espectral, com vermelho tendo o comprimento de onda mais longo e violeta o mais curto. Em 1672, Sir Isaac Newton, físico inglês e “intelecto científico”, desenvolveu uma teoria da cor baseada em sua pesquisa propondo que um prisma decompõe a luz branca em muitas cores do espectro visível. Ele era grande responsável por desmistificar e esclarecer a origem da luz e da cor. Dentro sua obra “Opticks”, ele afirmou: “Os raios não são coloridos. Neles não há nada mais do que um certo poder e disposição para despertar uma sensação desta ou daquela cor. Então as cores nos objetos nada mais são do que uma disposição para refletir este ou aquele raio mais copiosamente do que o resto.”

Uma maneira mais moderna de dizer é que quando um limão parece amarelo, é porque a superfície da fruta reflete o amarelo e não porque na verdade é amarela. Da mesma forma, o céu é azul, a grama é verde e os papagaios podem ser vermelhos, laranja ou roxo porque, quando atingidos pela luz, cada um deles reflete uma cor específica e absorve todas as outras cores.

Nós temos que creditar ao prolífico Sir Isaac pela invenção da primeira roda de cores enquanto ele “dobrou” seus raios experimentais em um círculo. No entanto, quase 100 anos depois, outro inglês, o entomologista Moses Harris, publicou o “Sistema Natural de Cores”. Este é o verdadeiro avô das rodas de cores complexas e ainda serve como modelo para rodas modernas. Dentro As próprias palavras de Moisés: “O modo atual adaptado desta tentativa é descobrir todas as variedades de cores que podem ser formadas a partir do Vermelho, Azul e Amarelo; quais três cores principais que o autor presume conter todas as cores e matizes em natureza quando misturados ou misturados entre si em várias proporções de sua potência”.

Tomando a natureza como seu “guia e assistente” ele denomina as cores principais “primitivas”, enquanto laranja, verde e roxo, os “mediadores”, afirmando que “essas são as cores com as quais ela (Mãe Natureza) decorou a maioria de suas flores”.

Embora saibamos que há muitos outros exemplos vindos da natureza, a roda de cores fornece alguma compreensão básica que pode ajudar na escolha da combinações de cores eficazes. No entanto, a roda de cores não deve ser considerada como a única fonte para criar combinações. Elas também podem ser gerados a partir do mente de um designer imaginativo e inovador, ou para qualquer outro designer criativo que escolhe a cor com base principalmente nos humores que ela cria.


 

Precisa criar um desenho de logotipo colorido?

Fale conosco pelo número de WhatsApp exibido no topo desse artigo e receba um orçamento sem compromisso.

Criação de logotipos, vetorização de imagens, gravação de arquivos abertos para aplicações em todas as cores.

Solicite orçamento pelo WhatsApp exibido no topo desse artigo - clique aqui e fale conosco.

 

 


Terminologia básica das cores

Fique bem familiarizado com as seguintes definições que esclarecem e expressam a terminologia básica relativa ao estudos das cores.

Matiz (Hue)

Matiz é o que distingue uma cor da outra. Os tons espectrais de vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e roxo são referidos como cromáticos. Preto, branco e cinza ou outros tons neutros acinzentados são chamados de acromáticos, que significa “sem cor”. No entanto, em um sentido mais amplo, eles são tratados como cores devido à sua presença visual e psicológica.

Valor (Value)

A relativa claridade ou escuridão de uma cor é chamada de valor, dependendo da quantidade de luz que a tonalidade reflete. Quando o branco refletido de luz é adicionado sem mudar o tom, é chamado de matiz ou cor de alto valor. Quando o preto absorve a luz é adicionado e uma cor é escurecida sem alterar o matiz, é chamado de sombra ou cor de baixo valor.

Rosa é um valor alto de vermelho e bordô (carmim) é um valor baixo de vermelho. Uma mistura de valores claros e escuros da mesma tonalidade é chamado de valor médio. Um padrão de valor refere-se ao arranjo e quantidade de variação na luz e sombra.

Quando o contraste de valor é mínimo e mantido em uma faixa limitada com pequenas variações, o resultado é contido, sutil e discreto. As bordas suaves são criadas pela organização de cores em valor próximo, enquanto drama, excitação e/ou conflitos são expressos através de mudanças bruscas de valor. Onde luz extrema e contraste escuro se juntam, é criado um centro de atenção chamado ponto focal. Sinônimos adicionais para valores mais leves são: luz ou leveza, refletividade e, para valores mais profundos: densidade, profundidade de sombra e escuridão.

Saturação (Saturation)

Saturação ou croma descreve a intensidade e a força de uma cor; quanto ou quão pouco cinza ele contém. O croma máximo descreve um matiz em sua forma mais pura. Quanto mais pura uma cor, mais ela se aproxima das cores do espectro e maior sua saturação. Quanto mais cinza e neutra for uma cor, menor será sua saturação.

O azul real é uma cor de croma ou saturação forte; azul bebê é uma cor mais fraca de croma ou saturação. Diz-se que as cores que não são acinzentadas e estão em seu brilho final estão em sua intensidade máxima. As palavras mais usadas para descrever a saturação forte ou croma são: força, clareza, pureza, brilho, riqueza, ousadia, vivacidade, intensidade e verdade.

Níveis de saturação reduzidos podem ser descritos como moderados, difuso, enevoado, empoeirado, sutil, suave, atenuado, abafado, contido, abafado, discreto e silencioso. A percepção de uma cor é muito alterada por seu valor ou saturação.
Um valor escurecido de roxo, como ameixa, é mais poderoso do que um valor da lavanda. Um verde intensamente saturado é mais estimulante do que um verde pálido, acinzentado.

No planejamento de um esquema de cores, valor e saturação são tão importantes quanto a escolha de uma tonalidade.

Tonalidade (Tint)

Uma cor mais clara, devido à adição de branco, é chamada de tonalidade. Pálido ou pastel as cores são matizes.

Traço/Tinge (Trace / Tinge)

Um traço ou coloração é um indício quase imperceptível de uma tonalidade.

Tom (Tone)

Uma cor pura que foi modificada pela adição de preto ou cinza (uma sombra) ou branco (uma tonalidade) é chamado de tom. Às vezes é usado de forma intercambiável com matiz e sombra e referido como variação tonal. O tom às vezes é usado de forma intercambiável com a palavra matiz, ou qualquer pequena variação de um matiz, como em um tom de azul.

Tonalidade (Tonality)

Tonalidade descreve um esquema de cores ou uma gama de tons.

Subtom (Undertone)

Subtom denota uma cor subjacente dentro de qualquer matiz. Por exemplo, vermelho em violeta-avermelhado, azul em azul acinzentado. Outro termo para subtom é “cast”, como em preto com um elenco marrom e taupe com um elenco rosa.

Sombra (Shade)

Embora um tom, tecnicamente, seja a modificação de uma cor pura pela adição de preto ou cinza, o uso da palavra foi expandido para ser sinônimo de matiz ou cor.
Sombreamento (Shading)

O sombreamento reflete os efeitos da sombra em superfícies planas ou formas tridimensionais feito por gradações de cinza ou de cor.

Paleta (Palette)

Uma paleta é um grupo de cores frequentemente usado para descrever um clima ou tema abrangente.

roda de cores paleta harmonia das cores 

Roda de cores

Qual é a temperatura da cor? - Vamos responder essa questão rotulando áreas quentes e frias, cores primárias, secundárias e terciárias na roda de cores.

A roda de cores ilustrada aqui é muito menos complicada do que algumas versões, mas ainda ilustra efetivamente o posicionamento do primário, secundário, e tons terciários.

Os tons primários são vermelho, amarelo e azul, embora preto e branco também são necessários para fazer uma gama completa de cores. Os matizes secundários, laranja, roxo e verde, são obtidos pela mistura de duas das primárias. Resultante de uma combinação de uma tonalidade primária e uma tonalidade secundária, a tonalidade terciária

Os tons são: laranja vermelho, laranja amarelo, verde amarelo, verde azul, roxo azul e vermelho roxo, embora o termo tenha sido estendido para tons escurecidos como marrom.

Um aspecto muito importante da roda como ferramenta é que ela demonstra que a cor é percebida como tendo uma temperatura: quente ou frio ou em algum lugar entre eles. Estes são componentes vitais na entrega de uma mensagem de cor específica.

As cores são percebidas como tendo temperaturas diferentes por causa de antigas associações universais. Vermelho, laranja e amarelo irradiam calor à medida que são associadas ao calor do fogo e do sol, enquanto as coisas refrescantes são azuis, verdes e roxas, à medida que se conectam no olho e a mente com extensões mais amplas de céu, mar, folhagem, e espaço exterior.

De um modo geral, as combinações de cores quentes remetem a um ambiente mais enérgico, mensagem extrovertida e dinâmica que efetivamente exige atenção.
Fisiologicamente, cores quentes realmente avançam para os olhos. As cores frias retrocedem, fazendo-as parecer mais distante, contido e calmo. O olho discerne cores quentes mais imediatamente. No entanto, uma cor viva, pura e fria pode parecer avançar visualmente e quase dominam uma cor sutil, acinzentada e quente. À medida que os tons frios ficam mais vibrantes, assim como suas personalidades e mensagens.

Alterar os tons de uma cor pode alterar um pouco a temperatura. Quanto mais vermelho um roxo, mais quente e provocante fica; roxos mais azuis são menos sensuais e mais meditativo. Os vermelhos amarelos são mais quentes que os vermelhos azuis. Verdes azuis (turquesa) são tão refrescantes como os corpos d'água semelhantes a lagoas que as inspiram, enquanto o amarelo-terra verdes têm o efeito oposto.

Tanto a família verde quanto a roxa são as mais adaptáveis a uma mudança de temperatura porque eles preenchem a lacuna entre quente e frio na cor roda.

O laranja é visto como a cor mais quente, enquanto o azul é visto como a mais fria. A relação de uma cor com cores adjacentes geralmente determina o quão fria ou quente ela parece. Em combinações monocromáticas da família vermelha, um vermelho azul seria visto como a cor mais legal, em uma combinação diferente combinada com azuis, azul vermelho seria visto como o tom mais quente.

A intensidade ou valor de uma cor pode alterar tanto a percepção da temperatura quanto a a mensagem psicológica de um matiz. Por exemplo, o azul gelado parece ser úmido, frio, e silencioso.

Azul elétrico, assim como o nome indica, sugere um relâmpago, excitação e vibração, enquanto o azul escuro sugere as profundezas do oceano - intenso e substancial. A associação psicológica de uma cor muitas vezes pode ser mais forte do que a visual impressão

Girando a roda: compatibilidade de cores

A roda de cores clássica renderiza algumas terminologias básicas e diretrizes para seleção de cores. Observe o uso do palavra “diretrizes” e não “regras”. A maioria dos seguintes esquemas de cores baseiam-se no posicionamento das cores na roda e fornecem harmonias no padrão de cores, enquanto outros ajustam o pensamento convencional sobre compatibilidade de cores.

No entanto, quando você precisa de um pouco de direção, inspiração, ou simplesmente precisa dar o pontapé inicial em um conceito, termos de cores e diretrizes podem ajudar a impulsionar o processo de forma unificada e sinérgica.

Aqui não há certo ou errado, simplesmente alternativas de combinações de cores que vão esclarecer e incentivar a brincar com as possibilidades.

Monótono

Um esquema de cores monótono é o uso de um único neutro em vários tons e tonalidades. Offwhites, bege, cinzas e taupe (também chamado de greige) estão entre os mais usados neutros. O branco puro não é literalmente neutro, pois não oferece versatilidade ou variações dos esbranquiçados. O branco puro chama a atenção e é percebido como brilhante devido ao seu brilho altamente reflexivo. Embora isso possa ser uma desvantagem em espaços interiores, em embalagens ou publicidade o branco pode alcançar um destaque igual uma cor cromática. Da mesma forma, classificar o preto como neutro é questionável, pois é uma presença visual e psicológica muito imponente.

Os neutros não são ofensivos. No entanto, existem muitas nuances e subtons que podem expressar calor ou frieza. Para melhor receber a mensagem de temperatura para o visualizador, todos os tons devem ser consistentes ao usar neutros juntos. Há uma desvantagem em usar tons repetitivos, pois eles podem ficar monótonos. Isso é facilmente remediado usando diferentes texturas, acabamentos e formas dentro do mesmo família de cores.

Isso pode funcionar em muitas aplicações, desde moda e design de interiores (móveis) até a aplicações de design com qualidades táteis óbvias, por exemplo embalagens que criam a ilusão de textura.

Por exemplo, um cinza prateado metálico contra um fundo cinza fosco adiciona um toque de elegância e alivia o tédio visual. Esse tipo de combinação cinza e metálico é muito usado nas campanhas publicitária da marca Mercedes-Benz.

No uso real, esquemas monótonos raramente são totalmente neutros. Um quarto feito em tons variados de bege podem ter uma grande janela onde as cores externas se tornam parte do ambiente: um vaso de flores silvestres pode aparecer na mesa de uma sala toda branca, uma aquarela pastel trará efeitos de cor destacada se o quadro for colocado num ambiente cinza, não importa quão sutil.

Esquemas monótonos também não são absolutamente neutros quando usados em roupas, porque a coloração pessoal do usuário fornece contraste. Na sinalização, embalagem, publicidade e outras aplicações gráficas, os tons monótonos podem fazer desaparecer a mensagem, se eles ficarem ilegíveis, por isso será necessário o cuidado com os níveis de contraste.

Em seguida, pode ser necessário delinear o neutro, para fornecer outra tonalidade contrastante ao esquema de cores.

Monocromáticos

Esquemas de cores monocromáticos usam apenas uma família de matiz em vários tons e cores. Se a tonalidade for vermelha, por exemplo, as variações são muito amplas, começando com o mais leve tom de rosa pálido aos mais ricos tons de joias de um rubi lapidado. Isso é um esquema que enfatiza uma família de cores específica, tornando-se uma ferramenta muito eficaz para capturar a essência e a mensagem de qualquer família de cores.

Esquemas monocromáticos podem ser dramáticos em ambientes especiais, como figurinos ou iluminação para um palco ou cenografia de um filme. Mas eles podem ser igualmente eficazes em design gráfico que destaquem efeitos combinados ou com forte contraste.

Análogo

Devido à sua proximidade na roda de cores, as cores análogas estão entre as mais harmoniosas e infalíveis nos esquemas de cores. Também são chamados de matizes adjacentes ou cores vizinhas. Um conjunto análogo clássico - um primário, um secundário e um terciário – são matizes adjacentes e fluem com bastante facilidade de um para outro, por exemplo, azul, verde azul (turquesa) e verde.

Como essas cores compartilham o mesmo subtom, elas sempre vão fornecer harmonia quando utilizadas de forma sóbria.

Cores Complementares

Na linguagem das cores, complementar refere-se a matizes que se encontram diretamente opostas na roda de cores de um lado para o outro. Elas são chamados de complementares, pois o significado literal é “que que completa ou aperfeiçoa”.

Embora o conceito de perfeição esteja nos olhos de quem vê, sabemos que as cores acopladas como complementares exibem um equilíbrio natural; cada par contém um quente e um tom frio. Na escola primária, um professor pode ter tentado um teste de ilusão com a classe. Você teria olhado atentamente para uma cor por um minuto e quando você desviou o olhar para uma superfície branca, a cor complementar apareceu. Esse não era um truque de mágica, mas a realidade fisiológica do que é chamado de pós-imagem, que ocorre na retina de nossos olhos.

O fenômeno da pós-imagem tem sido usado por exemplo, nas salas de cirurgia, onde a equipe de médicos se concentram em vermelho (como em sangue e tecido) para o ponto de cansar as terminações nervosas em suas retinas. Por isso os hospitais usam cores calmantes verdes e azuis na sala de cirurgia, que é para descansar os olhos dos cirurgiões.

Esta mesma solução para os olhos cansados também funciona na indústria. Em um laboratório de cosméticos, onde o controle de qualidade se concentra em esmaltes ou batons avermelhados, os funcionários são treinados a olhar para uma parede branca, quando uma pós-imagem verde aparece.

As cores complementares realçam ou enfatizam as qualidades de seus opostos. A seleção de opostos específicos não deve ser muito restritiva, pois as cores devem ser pensadas como famílias.

A família amarela é reforçada por roxos de apoio, a família laranja é equilibrada pelos azuis, enquanto os vermelhos e verdes, sejam de base azul ou de base amarela, têm afinidade natural entre eles. Quando os complementos são colocados imediatamente um ao lado do outro, eles parecem mais intensos.

Isso é chamado de contraste simultâneo - cada complemento intensifica o brilho do outro e parece vibrar visualmente ao longo da borda da área onde eles se reúnem.
Essa percepção de movimento aparente pode ser usada para grande vantagem em equipamentos esportivos, bandeiras, banners, publicidade, embalagens ou sites que retratam movimento.

Cores intensas também podem mudar ligeiramente, dependendo da cor do fundo, muitas vezes movendo-se para o complemento da cor de fundo. Por exemplo, colocado contra um fundo roxo, o verde brilhante mudará um pouco para o verde amarelo porque o roxo é o complemento do amarelo. Isso é chamado de sucessiva ou contraste consecutivo.

O resultado do contraste consecutivo nem sempre é uma consideração quando vemos tecidos impressos, superfícies, anúncios e dispositivos, porque nossos olhos raramente se fixam em um ponto, mas se movem rapidamente de um área para outra.

Em interiores, complementares brilhantes podem ficar um pouco estridentes - não necessariamente um coisa boa para uma criança ou adulto hiperativo. Quando intenso ou fortemente contrastante os tons são compensados ??por neutros, como taupe,
Utilize vermelho e verde em tons profundos de vinho e oliva, e surgirá uma combinação sofisticada e complexa. Por outro lado, acoplamentos complementares clareadores para pastéis podem proporcionar resultados surpreendentes, como damasco e azul ou violeta e um amarelo dourado.

Cores complementares também podem ser combinadas de forma eficaz para reviver uma aparência desbotada. Toalhas enfeitadas com detalhes verdes podem ser um antídoto para os azulejos cor-de-rosa cansados em um banheiro precisando de uma atualização.

Uma cadeira azul desbotada em uma sala ensolarada pode ser ressuscitada colocando um toque de laranja coral na parede de fundo ou em um travesseiro. Do ponto de vista pessoal, a tonalidade da nossa pele também pode ser afetada pelo brilho das cores complementares das roupas que usamos. Uma pele corada ou avermelhada aparecerá ainda mais vermelha viva quando usar uma roupa verde clara.

Outro exemplo muito comum usado nas embalagens de colorantes para cabelos, é usar a foto de uma mulher (modelo) com o cabelo loiro sobre uma imagem de violeta de fundo.

Complementar Dividido (Split)

Um esquema complementar dividido utiliza uma tonalidade de um lado da roda de cores com dois matizes que se encontram em ambos os lados do complemento diretamente opostos. A natureza oferece alguns dos exemplos mais magníficos deste esquema.

Por exemplo, roxo combinado com amarelo laranja e amarelo verde. Isso torna a combinação impressionante, que é ao mesmo tempo complexa e diversificada. Esses matizes podem ser clareados ou escurecidos para vários efeitos.

Tríades (Triads)

Um esquema de cores tríades utiliza três matizes equidistantes na roda, primárias, como como vermelho, azul e amarelo ou os tons secundários de laranja, verde e roxo. Nas intensidades mais brilhantes, as primárias são mais espirituosas, primitivas e/ou infantis.

Laranja, verde e roxos são mais complexos e inusitados como combinações brilhantes, mas também podem ser clareados, escurecidos ou acinzentados. Esses tipos de combinações podem criar estilos elegantes, combinações interessantes ou incomuns, como fúcsia, terracota e um líquen profundo verde.
Tétrades (Tetrads)

As tétrades utilizam quatro cores que são na verdade dois conjuntos de cores complementares. Esse esquema pode ficar complicado, e pode ser um desafio até mesmo para os mais experiente olhar criativo, mas os resultados podem ser excepcionais. Em variações ou estampas mais brilhantes, como paisleys que envolvem diferentes níveis de cor, incluindo tons médios e pastéis, tétrades podem ser extremamente dramáticos e atraentes.


 

Precisa criar um desenho de logotipo colorido?

Fale conosco pelo número de WhatsApp exibido no topo desse artigo e receba um orçamento sem compromisso.

Criação de logotipos, vetorização de imagens, gravação de arquivos abertos para aplicações em todas as cores.

Solicite orçamento pelo WhatsApp exibido no topo desse artigo - clique aqui e fale conosco.

 


 

harmonia das cores complexas

Cores complexas

As cores que apresentam variação na textura ou na própria tonalidade são chamadas de complexas. Isso também inclui cores que mudam sutilmente sob a luz ambiente, como em tons perolizados ou opacos. Tecidos bonitos como shantung de seda, dupioni e tafetá, exibem essas qualidades de camaleão.

As próprias cores são frequentemente descritas de maneiras mais complexas, por exemplo: um azul esverdeado frio ou um roxo sutil malva. Vários tratamentos metálicos têm uma qualidade variável (tipo aqueles selos 3D que são impressos nas novas notas de Real), utilizando novas tecnologias de impressão que estampam efeitos mais impressionantes.
Esse complexidade intrigante e visualmente atraente também é frequentemente encontrada em jóias, pedras preciosas e minerais. Todos nós ficamos maravilhados com a exibição de um pavão, as marcas de uma borboleta ou um pato azul/verde no lago, e são fascinados por tons cintilantes mesmo enquanto navegam em uma mancha de óleo mundana em uma rua suja.

Em um balcão de cosméticos, numa prateleira de farmácia ou em anúncios artisticamente elaborados, a impressão ou exibição de materiais publicitários com luminosidade, efeitos de glitter de esmaltes e texturas são quase irresistíveis para as consumidoras.

Os antropólogos sociais nos dizem que o olho humano é inevitavelmente atraído pela mudança dos padrões de cores, pois muitas vezes ondulam da mesma maneira que um corpo de água que se move. A lógica é que, se os humanos precisam de água para sobreviver, eles também são atraídos pelo movimento flutuante de cores mutáveis.
Se estamos sedentos de um objeto de beleza, ou simplesmente sedentos, não podemos negar que existe um fascínio pela complexidade da cor. No extremo oposto estão as cores fluorescentes.
Desenvolvido pela primeira vez por dois irmãos americanos, Bob e Joe Switzer, na década de 1930, os usos de Day-Glo, ou fluorescentes, realmente decolaram ajudando no esforço de guerra dos anos 40. As cores eram usados em painéis de tecido para enviar sinais do solo que podiam ser vistos de o ar. Elas também foram usados em salva-vidas para chamar a atenção durante os resgates e também em bóias para mostrar que as minas foram retiradas de uma área. Equipes vestidas com trajes DayGlo iluminados por lâmpadas ultravioletas guiavam aviões para pousos noturnos.

Após a guerra, o Day-Glo foi difundido comercialmente e começou a ser amplamente usado em placas, caixas de sabão, cones de trânsito, caminhões basculantes, bolas de golfe, traves, bambolês e a capa da revista Ciência Popular.

O uso desses efeitos de cores continuou através do gás neon em letreiros luminosos e lâmpadas de luz negra em boates, sem mencionar a cor do cabelo punk. O uso mais atual mostra um lado moderno e prático do uso de fluorescentes. Eles são naturais para placas de sinalização e coletes de trabalhadores rodoviários.

Eles estão sendo usados em equipamentos esportivos e roupas esportivas - uma declaração de moda em todo o seu ter. Além disso, há o fator de segurança, pois muitos atletas corredores de rua e ciclistas que usam tecidos tingidos em cores fluorecentes podem ser vistos por motoristas, distante dezenas de metros antes de existir algum risco de colisão ou atropelamento.

As cores fluorecentes também são naturais para brinquedos, bicicletas e outros bens de consumo que pedem a atenção das crianças.

Discórdia e dissonância na combinação das cores

No mundo da música, o significado de harmonia no dicionário é “uma combinação de notas musicais soadas simultaneamente para produzir acordes e progressões de acordes tendo um efeito agradável.” Com uma ligeira mudança de palavreado, o mesmo poderia ser dito para a harmonia da cor.

Todos nós adoramos um efeito agradável, mas há também um caso a ser feito para a discórdia e dissonância em progressões musicais que proporcionam drama, intriga, mistério e outras componentes emocionais ao som da música.

Da mesma forma, cores discordantes podem fornecer combinações de cores únicas, surpreender os olhos, fornecer novas abordagens de um objeto, assunto ou produto ao expressar ideias e conceitos.

Publicidade, embalagem (packaging), moda, cosméticos e cenografia de teatro e cinema certamente fizeram bom uso da discórdia de cores que chama a atenção. Caminhos padronizados para a harmonia das cores podem ser evitados ou até mesmo ignorados para obtermos as combinações discordantes. A indústria da moda tem visto um aumento constante de o que se chama de “conflito de poder”, combinando estilos, padrões e cores que desafiam as regras de vestimenta.

Como bem sabemos, o que começa na moda pode facilmente derramar em outras áreas do design. Existem várias abordagens para o conflito de poder. Um é o mash-up completo onde nada realmente combina. Se a sua opinião pessoal sobre a cor significa peças coordenadas ou correspondentes, o conflito de poder pode ser muito ofensivo: usar bolinhas, xadrez e espinha de peixe em cores diferentes não é para você – pode lembrá-lo de um velho tio cujo senso de estilo não era o o melhor.

Suas sensibilidades pessoais de cor podem lhe dizer que alguma ligação entre o padrões diferentes irão juntar tudo. É aí que entra a cor, seja em sua escolha de roupa ou em seu trabalho, criando um caminho visual e uma conexão.

Curiosamente, o confronto em estilo e cor começou bem no design de interiores antes de ganhar força na moda. Estampas de leopardo em uma cadeira dourada, talvez um xadrez tradicional tipo Burberry em outro, um multicolorido-floral num tapete estampado e travesseiros incompatíveis não são atípicos do que pode ser visto em a decoração das casas de alguns dos mais ricos e famosos.

Não é para todos, especialmente aqueles que preferem o mínimo ao máximo. No entanto, como revistas e programas de reforma na televisão têm apresentado nos últimos anos, a escolha existe para uma abordagem mais eclética e diversificada em estilo e cor. A discórdia realmente está nos olhos de quem vê.

O que é desagradável e chocante para alguns gostos, podem ser estimulantes e excitantes para outros. “Perfeita harmonia” (se isso realmente existe) nem sempre é o objetivo de uma combinação de cores. A cor discordante pode ser usada intencionalmente para manipular a emoção - para despertar, perturbar, excitar, exagerar, ou para criar tensão. Se a dissonância for usada com cuidado, pode ser uma ferramenta poderosa no mercado.

psicologia das cores harmonia estudo psicologico

A psicologia das cores

A cor invariavelmente transmite humores que se ligam aos sentimentos humanos e reações pessoais. Como uma parte do nosso desenvolvimento psíquico, a cor está ligada às nossas emoções, assim como nosso intelecto.

Cada cor tem um significado que nós sentimos individualmente ou em grupo, ou temos aprendido por associação e/ou condicionamento, o que nos permite reconhecer as mensagens e os significados transmitidos.

Uma grande parte de nossa reação associativa à cor está relacionada aos fenômenos naturais. Por exemplo, o amarelo é a cor mais frequentemente ligada ao calor e a alegria do sol, e o azul à presença constante do céu e o derradeiro amanhecer de mais um dia.
Também antecipamos certos gostos que vêm com cores específicas. O suco de laranja é esperado para ser ácido e talvez um pouco doce. O limão é ainda mais ácido, quase picante e mais pungente.

Somos ensinados a parar em um sinal vermelho, pois isso pode sinalizar perigo, e há a promessa de segurança quando os sinais verdes aparecem. Também temos reações específicas à cor que são geradas por um sistema de crenças fundada em princípios específicos.

Na Igreja Católica, o roxo é a cor da Quaresma e arrependimento. O paraíso é descrito no Alcorão como um lugar onde as pessoas usar roupas verdes finas. Existem certos aspectos culturais, históricos e tradicionais da cor que podem também moldam as percepções de cor que são passadas de geração em geração com ou sem o benefício da experiência pessoal.

Na China, na prática do Feng Shui, o vermelho é o símbolo da prosperidade. Na Grécia, assim como muitos outras áreas do mundo, o azul é a cor mais protetora. Há simbologia política que se reflete na cor também. Os coletes amarelos na França foram um símbolo das reivindicações e manifestações durante o ano de 2018.

O preto tem sido associado tanto ao anarquismo quanto ao autoritarismo, enquanto o branco é ligado ao pacifismo ou à rendição (bandeira branca). As causas e movimentos humanitários também são identificados com cores específicas. O rosa tem sido identificado como a cor para a conscientização feminina sobre o câncer de mama. Já o verde é a cor do Greenpeace, e poderia ser de outra cor?

Depois, há a reação autônoma e inconsciente à cor que vai além do psicológico para o fisiológico. Nossa resposta é involuntária e simplesmente não tem controle sobre isso.

Pense na primeira paixão que você teve e toda vez que você visse ele ou ela, seu coração pularia uma batida (ou duas) e você poderia sentir o rubor rosa quente subindo em suas bochechas. Se fosse menos sobre amor e mais sobre raiva, você pode até ficar um pouco mais vermelho de raiva. Então pode haver uma manifestação física do que está acontecendo em sua psique.

Muitas vezes enraizado na infância, experiências pessoais e reações subsequentes certamente jogam na psicologia da cor. Por exemplo, você pode ter sofrido uma queda mais séria com uma bicicleta verde, porém aquela outra bicicleta vermelha que você ganhou 3 anos depois, te traz ótimas lembranças de aventuras com seus amigos na adolescência. Se voce hoje vai comprar uma bicicleta aro 29 para pedalar com seu grupo de amigos adultos, provavelmente a escolha da cor será afetada pela sua lembrança da infância.

Utilizando um mesmo brinquedo (a bicicleta) você experimentou a felicidade no início, depois o trauma de um acidente e, eventualmente, a alegria de agora, bem depois quando adulto, fazer novas amizades e praticar atividades físicas. Mesmo que voce não tenha pensado muito na cor das bicicletas que voce teve, certamente a psicologia pode explicar algumas de suas escolhas.

Então, isso nos leva à moral da história. Se você é um profissional que trabalha com cor, é muito importante separar a perspectiva profissional de uma reação pessoal. Depois de reconhecer o que causou o trauma, você pode optar por lembrar-se da alegria da antecipação, e é disso que se trata a cor.


 

Precisa criar um desenho de logotipo colorido?

Fale conosco pelo número de WhatsApp exibido no topo desse artigo e receba um orçamento sem compromisso.

Criação de logotipos, vetorização de imagens, gravação de arquivos abertos para aplicações em todas as cores.

Solicite orçamento pelo WhatsApp exibido no topo desse artigo - clique aqui e fale conosco.

 

 

Artigos relacionados:

Simbologia Históricas das Cores:

Branco - Vermelho - Cinza - Amarelo - Verde - Azul

 

Cores aplicadas nos logotipos:

Vermelho - Laranja - Amarelo - Verde - Azul turquesa

 

 

Fonte: Livro Harmonia das Cores, por Leatrice Eiseman


Página atualizada na Agência EVEF em 11/04/2022 por Everton Ferretti